Dicas para o controle de estoque do seu E-commerce.

Em uma loja virtual é importante ter um bom controle de estoque, esse controle evitará perca de vendas, erros gastos desnecessários para o vendedor.

Tudo aquilo que você coloca à venda em sua loja virtual deve estar disponível para entrega conforme o seu anúncio, na prática nem sempre é assim que acontece. Quando não há controle e atualização de estoque, sempre existirá o risco de que compras sejam feitas sem que a mercadoria esteja disponível para pronto envio. O resultador disto será o transtorno causado para devolução do pagamento ao cliente,  além da perca de tempo para ambos os lados.

Um erro comum é ter outros canais de venda, como uma loja física e utilizar o mesmo estoque para abastecer todos eles. Aí é que mora o problema. Suponha que um funcionário da sua loja vende a última unidade de um produto e esquece de dar baixa no sistema ou deixa para depois.No mesmo momento, um cliente pode estar comprando este mesmo produto – que já não existe mais – na sua loja virtual. Pode ter certeza que ele não ficará nem um pouco feliz quando você disser: “pois é, tinha, mas acabou”.

Um cliente frustrado dificilmente voltará a comprar na sua loja e além da dor de cabeça de ter que lidar com isso, os custos do processamento do pagamento vão sair do seu bolso.

Aqui vamos te dar algumas dicas práticas para controlar melhor seu estoque :

Tenha um controle preciso

Registe tudo que está disponível no estoque, e todas as movimentações de entradas e saídas devem ser controladas.

Você pode fazer isso usando desde uma planilha de Excel até programas específicos e, em último caso, até o bom e velho papel. Analise o porte do seu negócio, suas necessidades e veja o que é mais apropriado . O fundamental é não deixar nada passar.

Crie um método de organização

Ter uma organização lógica do local onde cada produto pode ser encontrado é mais importante do que ter tudo em ordem no papel ou na tela do computador. Quanto maior o estoque, mais rigoroso deve ser o processo.

Divida os produtos por categorias, cores,  e se for necessário crie códigos para cada um deles. Usar a boa e velha ordem alfabética ou crescente são formas de manter tudo em ordem e facilitar a localização.

Crie e estipule processos

Para evitar falhas, é fundamental estabelecer rotinas de atualização das ferramentas de controle. Toda vez que um produto for vendido, é preciso entrar imediatamente na planilha ou no sistema e dar baixa, além de atualizar o estoque disponível na loja virtual (caso a venda tenha sido feita por outro canal).

Estruture o fluxo

Faça uma análise detalhada do histórico de vendas para identificar quais são os produtos com maior e menor saída e com que frequência cada item tem que ser reposto para abastecer melhor o fluxo de seu estoque.

Programe as compras

Com as informações de fluxo, fica fácil criar um calendário com as datas de compra para cada item. Existem sistemas específicos para o controle de estoque e até aplicativos que podem enviar alertas quando chegar a hora de fazer a reposição.

Fornecedores confiáveis

Se você tiver fornecedores de confiança que não te deixam na mão é improvável que falte produtos no seu estoque. Algumas lojas trabalham com estoque compartilhado com o fabricante – mais conhecido como DropShipping, e é uma das maiores vantagens de negócios virtuais, ou seja, não compram antes de ter vendido. Nestes casos, é mais importante ainda ter uma relação próxima com o fornecedor e ter acesso a alguma ferramenta para checar a disponibilidade dos produtos antes de coloca-los à venda.

Não é uma missão impossível fazer um bom controle de estoque,  basta apenas atenção aos detalhes. Seguindo algumas dessas dicas simples, é possível garantir que o cliente não ficará na mão quando clicar no botão comprar.

Anúncios

Curiosidades sobre o papelão

Você sabia que o papelão ondulado é usado há mais de 100 anos, e que foi inventado para transportar alimentos frescos à longas distâncias durante a revolução industrial?

A revolução industrial deu inicio ao conceito de fabricação em massa, e com a  aceleração do processo de produção de bens de consumo, surgirão grandes invenções como o papelão. O primeiro uso conhecido do papelão ondulado foi descoberto por dois ingleses, Healey e Allen, e eles obtiveram a patente para o uso como proteção interna de chapéus.

Avançando um pouco na linha do tempo,  em 1903 um produtor de cereais conseguiu aprovação oficial quando usou, pela primeira vez, uma caixa de papelão ondulado em parede simples no formato capa/miolo/capa, para embalagens de transporte.

No Brasil,  a primeira fábrica de papelão ondulado  foi fundada em 1935 pelos senhores João Costa e Ribeiro, que introduziram no nosso mercado o ondulado parede simples, que até então era importado da Alemanha. Em 1952 foi constituída a FEFCO – European Federation of Corrugated Board Manufacturers e em 1974 foi fundada no Brasil a ABPO – Associação Brasileira do Papelão Ondulado. Apenas no período de 1970 à 1974 a ABPO apontava que a produção de papelão ondulado no Brasil aumentou de 220 mil toneladas para 500 mil.

Hoje em dia, há mais de dois séculos desde a invenção, muitas mudanças ocorreram. Houve melhoria de matéria-prima, equipamentos, processos de produção e técnicas de impressão no papelão ondulado. Outro avanço importante foi a possibilidade de variação no número de gramatura do papelão ondulado, o que deixou este material cada vez mais versátil e adaptável para cada tipo de necessidade de uso.

 

O papelão e suas curiosidades

Você sabia que o papelão é considerado o tipo mais resistente e grosso entre todos os tipos de papéis?

Por este motivo é que ele é tão utilizado para fabricação de caixas e dispositivos que armazenam diversos materiais, desde alimentos, roupas até os eletrodomésticos de médio porte.

A composição e estrutura do papelão

Assim como os outros papéis, a sua composição básica se dá através de fibras da celulose, que podem ser recicladas ou não. Existem basicamente dois tipos de papelão: o papelão liso e o papelão ondulado. O mais utilizado é o papelão ondulado  e este tipo de papelão também pode ter variações conforme a quantidade de camadas e as ondas. A variação mais comum do papelão ondulado é composta de três camadas, duas camada mais externas que tem função de proteção e revestimento e a camada intermediária, que é a mais volumosa e também é conhecida como” miolo” ou “enchimento”.

Quem inventou o papelão?

 Os ingleses Healey e Allen obtiveram uma patente para o primeiro uso conhecido de papelão ondulado em 1856.  O processo feito por eles foi de alimentar o papel um a um em uma máquina de mão simples feita de 2 rolos corrugados. O resultado foi um papel corrugado e agradável e a primeira aplicação deste papel foi no forro de chapéus daquela época.
Foi apenas em 1871 que o o papelão ondulado foi utilizado para empacotamentos pelo americano um Albert L. Jones,  ele obteve uma patente para o uso do papelão ondulado para embrulhar artigos frágeis como garrafas. Já em 1874 outro americano aperfeiçoou o uso do papelão, foi Olivier Long que patenteou o conceito de unir uma folha lisa a um papel corrugado, para fortalecer esse material.

Mas foram os europeus que produziram as primeiras máquinas de produção de papelão ondulado a nível industrial. A primeira onduladeira foi desenvolvida por Jefferson T. Ferres da Sefton CIA. em 1895.